Archive for the ‘camisola’ Tag

Oscar – Celtic da Escócia

A camisa de hoje é a do Celtic, um time que concorre em um número razoável de categorias. A camisa que eu vou mostrar é a Third, essa concorre como: Melhor Camisa Dupla, Melhor Time e Melhor Marca. O Celtic porém entra ainda em Melhor Camisa Clássica e Melhor Templante.

Celtic Hat-Trick III

O terceiro e último dia de Hat-Trick é dedicado a terceira e última camisa do Celtic nessa temporada, a camisa de hoje também foi usada na temporada passada, mas na ocasião era uniforme de visitante. O fato dela ser de duas temporadas também justifica o porque que é a única que não carrega consigo a homenagem aos Leões de Lisboa. A camisa está concorrendo ao Oscar 0708 como melhor camisa dupla e o melhor time, mas as indicações ainda estão em aberto.

A camisa tem um modelo diferente, meio como se fosse uma mistura, isso da um ar de peculiaridade nela que na minha opinião é ótimo, torna ela de certo modo exclusiva, mas apesar disso o que mais chama a atenção na camisa é o desenho, uma combinação de rara beleza. A camisa é listrada em vertical contradizendo a camisa de casa que desde 1902 adota o modelo com listras horizontais. Mas nesse caso acho que as listras dessa forma ficaram impecáveis, ainda mais com a combinação de cores que valorizou desenho e deixou um conjunto muito bem feito. As cores usadas são o verde e o preto, que é como se fosse a terceira cor do clube. Nenhum dos dois tem um tom extraordinário ou muito diferente do comum, o preto é bem básico e o verde é pouco mais claro ou pouco mais vibrante do que estamos acostumados, como o tom de Palmeiras, Goiás e Coritiba. Apesar de a diferença ser bastante sutil esse verde mais claro ficou incrível, valoriza o contraste entre ele e o preto tornando o mais vivo e conseqüentemente evidente e vibrante, a largura das listras também estão ótimas, sem exageros a ponto de transformar as listras em linhas ou em faixas. O preto estar centralizado parece ter sido planejado, pois dessa forma quem ganha mais listras é o verde, assim se tornando levemente predominante, mas para compensar esse ganho os outros detalhes como barra das mangas e gola ficam em preto, caso fosse tudo alterado o resultado, imagino, seria um imenso desastre, os detalhes da camisa em verde ficariam extremamente chamativos, e o preto não conseguiria no tronco da camisa o mesmo efeito que tem o verde, ele mesmo em teoricamente predominante acabaria sendo apagado pelo verde. O patrocínio da Carling sempre consegue se adequar as camisas, um dos únicos jeitos de estragar ele é uma camisa azul e listrada mas como esse não é o caso ele se encaixa perfeitamente na camisa, não gosto do desenho “inovador” dele de ficar em diagonal pois quebra levemente a simetria da camisa, mas mesmo com esse pequeno ponto negativo eles ainda tem os triângulos verdes que junto com o preto do fundo sempre dão um toque de beleza isso sem contar com a própria inscrição Carling que quando necessário serve para dar um toque de branco em uma camisa predominantemente escura. Branco também foi a cor em que o símbolo da Nike e os outros detalhes ficaram, escolha mais que correta, nessa camisa o verde é a cor não básica e como já está acompanhada nada mais deve tentar fugir do tradicional. O prata, que caso não fosse o branco seria sem dúvidas a cor mais cogitada para colorir os detalhes, é uma cor que, por mais que pouco, chama a atenção para si, e isso quase sem exceções cria conflitos entre as cores, já o branco, mais comum é aceito em qualquer ambiente pois apesar de aparecer ele permite que as outras cores continuem sendo elas mesmas sem misturas, a divisão entre duas faixas do símbolo da Nike e do brasão do Celtic ficou linda,é um detalhe muito simples mas que valoriza os elementos em questão. Para concluir a barra da camisa e principalmente a barra da manga grossos dão limites para as listras, algo que nesse caso ficou muito bonito principalmente porque o preto ganhou ainda mais espaço com isso. A camisa é o mais belo exemplar dessa temporada, e é um grande, e alcançável, Objeto de Desejo meu.

Anúncios

Oscar – Sporting de Portugal

Hoje a camisa que participa do Oscar e que será comentada é a do Sporting Away, indicada para 3 categorias, Melhor Templante, Melhor Camisa Inovadora e Melhor Marca. O Sporting ainda tem como representante na Melhor Camisa Clássica o seu modelo Home. Segue mais uma reedição.

…Sporting de Portugal

O Sporting foi fundado em 1906 mas seu primeiro escudo foi desenvolvido somente no ano seguinte, os fundadores pediram a permissão para Fernando de Castelo Branco que o leão que havia no brasão de sua família fosse usado também no brasão do Sporting, Fernando autorizou mas impôs condições, o leão deveria ser prata e preto com o fundo verde representando que ele depositava esperanças e desejos de prosperidade para o clube que há pouco havia sido fundado. Os fundadores concordaram e adotaram as cores para os uniformes também, o primeiro era listrado na horizontal, ao contrário do que é hoje, e acompanhado de calções brancos posteriormente substituídos pelo preto. O jogo de inauguração foi uma derrota de 5 a 1 e o primeiro confronto contra o Benfica, seu maior rival, foi uma vitória de 2 a 1

O plantel, durante esse século e pouco de vida, teve muitos jogadores consagrados, entre os mais recentes e conhecidos posso destacar os portugueses Figo, Quaresma, Simão, Rui Jorge, e Cristiano Ronaldo e o brasileiro Liedson. Dos mais velhinhos além de André Cruz o clube também contou com Beto Acosta, mas não é o Acosta do Corinthians, é o Acosta que apareceu para o mundo no San Lorenzo em 88 e no Sporting Lisboa teve seu maior número de jogos numa única passagem e ainda conseguiu ser campeão português com 34 anos. Foi também jogador da seleção argentina onde conquistou a Copa das Confederações de 92 e a Copa América em 93, em 2001 Acosta voltou para o San Lorenzo e ainda conseguiu conquistar o título da Sul-Americana em 2002.

O clube tem 18 títulos portugueses, o último na temporada 0102, o clube também tem 14 Taças de Portugal e 4 Campeonatos de Portugal que é o antecessor da Taça. O clube é o 3º maior vencedor do campeonato português que só tem 5 vencedores na história, além de Sporting, Porto e Benfica venceram também, cada um uma vez, Boavista e Belenenses, Já da Taça de Portugal é o 2º maior vencedor, porém é o clube que mais vice.

A camisa do Sporting que eu vou mostrar é a de visitante dessa temporada, é feita pela Puma e segue o padrão que foi aplicado em todos os clubes. Existe um característica nessa camisa que deixa ela linda, é a escolha dos pontos que se tornaram detalhes. As Puma geralmente aplica as cores secundárias na suvaqueira que as vezes é acompanhada da gola também. Porém existe outro ponto que também pode receber a cor secundária e ele se localiza na parte de baixo da manga e se estende em forma de faixa até o final da camisa mas sempre conduzido pela lateral. Tem um formato mais geométrico, sem curvas extremas e consegue atingir uma grande parte da camisa, muito melhor que a suvaqueira, pois além de mais bonito e melhor posicionado na camisa ele também proporciona cores para todo o conjunto. No caso do Sporting o time foi premiado, conseguiu além das golas essa segunda parte que eu acabei de citar, ou seja, dos uniformes Puma ele conseguiu praticamente o melhor conjunto de detalhes, faltou apenas o colarinho, apesar que olhando melhor não combinaria com esse estilo versátil que a camisa possui. A combinação de cores é linda, preto com verde limão, aplicação perfeita, o preto como cor primária deixa a camisa escura e os detalhes em verde destacam as partes em que foi aplicado e proporcionam um toque mais claro porém cheio de modernidade. A gola da Puma também se encaixou de forma espetacular, ela já é naturalmente linda, adoro esse detalhe que a gola não acaba quando entra em contato com a camisa e continua com essa espessura finíssima até realmente chegar ao seu fim. E nessa caso as cores também atuam de forma linda, o contraste é lindo. O grande erro na camisa novamente fica por conta dos patrocinadores, a TMN (empresa de celulares da PT (Portugal Telecom)) ocupa agora espaço nos 3 grandes clubes lusitanos, mas assim como a sua matriz simplesmente não adapta o logo para melhor aplicação nas camisas e acaba mandando para as camisas esse quadrado azul claro que é totalmente contrário a cor secundária da camisa. Além disso o TMN não é centralizado com o próprio quadrado o que dá a péssima impressão de falta de centralização de toda a camisa. O Sapo, um site estilo o Terra, também não colaborou, e olha que podia, o logo tem uma cor muito parecida com a da camisa e ficaria ótimo a exemplo dos detalhes, só que eles resolveram fazer a parte deles como patrocinador e abriram uma enorme caixa (enorme pois estamos falando de mangas) branca na camisa preta o resultado é triste, acabaram com a camisa que tinha tudo para ser linda. De qualquer forma ainda tenho ela como Objeto de Desejo e no site do Sporting tem ela a venda sem patrocínios e ainda sai 5 euros mais barata.

sporting-0708-b.jpg

Especial do Mês – Maio

Esse mês vou falar do mais importante item que uma camisa tem, é o principal responsável pela personalidade da camisa, sem dúvidas é também o que mais afeta na beleza da camisa e é quem muitas vezes define se ela vai ser bonita ou não, quando bem encaixado pode ajudar a camisa a se tornar épica, quando mal as conseqüências são graves. É também, depois do distintivo, a maior relação existente entre camisa e clube, mas por outro lado é mais fácil um time mudar o distintivo do que ele. Não sei se deu para perceber mas eu estou falando das combinações de cores, elemento mais que marcante, afinal quando você pensa em tal clube ou tal cor a associação é imediata e inevitável. Mas vim apresentar para vocês cinco das combinações que são mais belas e marcantes, não encarem isso como uma eleição pois apenas peguei aquelas que eu particularmente gosto muito.

Combinação: Preto e Verde

Quem tornou conhecida: A combinação entre verde e preto é bastante incomum e na verdade esse é um quesito básico para uma combinação se tornar inesquecível. Quando falamos de preto e verde o primeiro clube que me vem a cabeça é o Hannover 96 um clube alemão que apesar da camisa de casa ser vermelha tem as cores no símbolo e na camisa de visitante. Do meu ponto de vista o precursor da combinação.

Características: A grande característica do preto com o verde é a contraposição, o verde que quase sempre aparece como cor escura quando acompanhado do preto se torna mais claro e mais vivo, mas sempre com o preto para combinar e não deixar tudo ficar muito reluzente, além disso o brilho que o verde tem com o preto não existe em nenhuma outra combinação, sem dúvidas dos verdes não escuros é a melhor combinação.

Tendência: Não existe uma grande tendência do uso dessa combinação, fora o Hannover somente o Sporting arriscou uma camisa com essas cores, mas sempre que é usada a combinação o preto entra como predominante e o verde em pequenos detalhes assim tornando as camisas  escuras.

Fotos: Hannover 96 0506 away, Hannover 96 0708 away e Sporting 0708 away

                   

Combinação: Grená e Amarelo

Quem tornou conhecida: O clube que tornou essa combinação inesquecível foi o Galatasaray da Turquia, é símbolo do clube e a associação entre ele e a combinação acontece no mundo inteiro, lembrada também pelo clássico desenho meio a meio das duas cores que nunca mudou na história do clube.

Características: A principal característica dessa combinação é a harmonia de duas cores incomuns e de muita elegância, o amarelo parte para o mostarda e o vermelho para o vinho, assim a camisa não fica com uma aparência muito forte e espalhafatosa e sim mais elegante e calma. Além disso a divisão igualitária das cores ajuda no contexto já que nenhuma das duas tem tanta força para ser predominante.

Tendência: Também é uma combinação pouco explorada, com exceção do Galatasary que dá um jeito de aplica-la em todos os seus 4 uniformes eu conheço apenas a camisa de goleiro do Newcastle. O balanceamento perfeito das cores é sem dúvida algo que não falta nas camisas, ou seja é a principal tendência e o elemento mais importante.

Fotos: Galatasaray 0708 home, Galatasaray 0708 away e Newcastle 0708 GK

                   

Combinação: Rosa e Preto

Quem tornou conhecida: Sem dúvida alguma o uniforme pioneiro nessa combinação é o do Palermo da Itália, uniforme também muito tradicional e muito elogiado, a predominância sempre vai para o rosa que tem um tom discreto acompanhado de um discreto preto somente para não deixar a camisa tão clara e próxima do branco.

Características: A combinação é muito forte de personalidade, principalmente quando tratamos de rosa cor tão polêmica. O grande toque da combinação está no tom claro do rosa que permite que o preto não fique fora de foco como aconteceria se fosse usado um rosa-choque. Com isso também foram valorizados a simplicidade e o estilo clean, tudo muito suave mas sem deixar a camisa sumir.

Tendência: Sem dúvida alguma é uma das combinações mais em alta no mundo esportivo, espalhou para clubes da Espanha e da França que fizeram suas adaptações, muitos não gostam mas é verdade que o nível de aprovação foi muito superior ao de rejeição, foram criadas camisas tanto majoritariamente rosa como o oposto e até o meio termo.

Fotos: Palermo 0607 home, Sochaux 0708 away e Espanyol 0708 away

                   

Combinação: Laranja e Verde

Quem tornou conhecida: A combinação não abriga oficialmente nenhum clube, o mais próximo que temos é o Venezia na Itália, mas a mistura com o preto é muito forte, portanto como pioneiro nessa história de laranja com verde temos o Werder Bremen da Alemanha, alguns de seus seguidores são o Banfield na Argentina e a seleção da Costa do Marfim na África.

Características: A característica marcante dessa combinação é a própria combinação, uma cor muito cheia de vida e outra que facilmente muda o seu caráter. Marca por não se misturarem mas mesmo assim combinarem perfeitamente desde que aplicadas com o tom certo, diferente das outras é uma combinação que está mais ligada a um estilo moderno e muito mais vivo.

Tendência: Com a exceção do Werder a principal tendência é fazer com que o laranja predomine, o clube alemão sempre procura deixar um bom equilíbrio quando as camisas são feitas nessas cores mas assume que a principal é e sempre será o verde. Acho que justamente por essa cara moderna é uma combinação que tem futuro mas ainda não tem muitos adeptos.

Fotos: Werder 0607 away, Banfield 0506 away e Costa do Marfim 0809 home

                   

Combinação: Preto e Cinza

Quem tornou conhecida: Muito difícil pois é uma combinação em ebulição e não tradicional, se formos analisarmos quem teve antes ai chegaremos a resposta do New Zelands Knights, entretanto se formos analisarmos quem realmente deixou conhecida ficamos entre a Nike com seus uniformes de goleiro e o modesto clube inglês do Reading.

Características: A principal característica da combinação é a forma como interagem as cores, o cinza ganha vida uma coisa que raramente conseguia e o preto consegue deixar de ser apenas um quadro onde as outras cores de encostam, algo ainda mais raro. E é esse despertar de dois pontos únicos e a união tão bem feita de duas cores tão parecidas que deixa essa combinação na memória.

Tendência: Apesar do clube criador não usar esse estilo todos os outros que vieram depois, a Nike com os goleiros, a Puma com o Reading e a Topper com o Estudiantes, tiveram a mesma idéia ao mesmo tempo, fazer listras, e realmente deu muito certo, todas as camisas são lindas e a tendência da combinação obviamente é essa, intercalar as cores e fazer listras, valorizando ambas.

Fotos: New Zeland Knights 0506 home, Reading 0708 away, Corinthians 2007 GK

                   

…Manchester United da Inglaterra

Essa é uma encomenda de muito tempo atrás que eu adiei demais. Foi feita pelo amigo Lucas Rafael. A camisa é uma das comemorativas ao centenário do Manchester United que foi comemorado durante a temporada 0001. A outra era branca e até existia uma dupla face muito interessante e que caso você tenha não venda pois ela é histórica.

O clube na época ainda era patrocinado pela Umbro que vivia seu penúltimo ano de contrato que acabou em 2002, já o patrocínio da Vodafone era estreante, substituto da inesquecível Sharp que foi acolhida durante 18 anos e entrou para a história como o primeiro patrocinador do Manchester, uma pena ter largado o clube uma temporada antes do centenário. O modelo apresentado pela Umbro naquela temporada não é nenhuma coisa memorável, mas por outro lado atendia bem as camisas, elementos bem produzidos e que compõe bem sem grandes falhas. A cor utilizada nesse modelo comemorativo foi a dourada, um dourado surpreendente e bonito para a época, esperava cores ou mais escuras, opacas e sem vida ou excessivamente brilhantes e chamativas ao invés de um leve brilhante sem exageros e que acima de tudo interage com outras cores sem se intimidar ou intimidar os outros. A faixa que corta a camisa de manga a manga é o principal detalhe da camisa, é o principal elemento, o que proporciona cor, detalhe e evita a excessiva simplicidade, tem um desenho pouco mais reto do que os modelos que vieram depois e mais curvado do que os anteriores, é um tipo de modelo transição bem com cara de anos 2000, mas apesar disso muito bonito, consegue equilibrar perfeitamente as duas tendências deixando a camisa muito bem trabalhada, apenas esse detalhe unido da gola é mais que suficiente para deixar todo o conjunto muito bem construído, só fica faltando um elemento no centro, papel desempenhado pelo patrocínio, e um elemento na parte inferior, desempenhado parte por patrocínio que consegue junto com as barras laterais construir uma limitação visual do dourado que é o suficiente para não deixar a parte inferior da camisa pobre. As barras nas extremidade já tinham começado a diminuir e assumir tons únicos, no caso da manga ficou perfeita, interage em perpendicular com a faixa que cruza e dá um efeito de continuidade ao preto que eu adoro pois consegue tornar a linha com um pouco mais de personalidade e força evitando assim que ela apenas corte a camisa e sim forme um desenho. Já na barra da camisa a linha preta ficou desvalorizada, deviam ter ousado mais e ter aumento o preto alguns milímetros. Outro detalhe espetacular é a linha branca que corre ao lado da faixa preta, muito discreta mas com um efeito que é difícil de se repetir. Ela é muito fina e está mais ligada ao preto pois o dourado na camisa é liso, ou seja, é a base. Por isso que você vê o branco como complemento do preto e não contraposição do mesmo, com isso ele fica caracterizado como detalhe do detalhe, mas por atuar de forma muito sutil e leve ele consegue se encaixar perfeitamente e harmoniza com o conjunto da obra dando mais cor e principalmente classe para a camisa que é valorizada por elementos simples mas com presença. O Vodafone na época era um dos patrocínios mais bonitos, principalmente em preto e assim batido, liso, e não os modelos atuais com desenhos que tentam passar a impressão de leve 3D. Nesse modelo ele caiu como uma luva, o contraste com o dourado da camisa é perfeito. O símbolo do Manchester está muito pequeno, na época era comum tentar manter uma coerência entre brasão e símbolo da fornecedora, mas como aumentar o segunda era desastre na certa eles preferiam diminuir absurdamente o primeiro, erro que foi corrigido com o tempo, mas apesar disso o símbolo do clube substituindo o vermelho pelo preto ficou muito, mas muito mesmo, lindo, clássico demais, o símbolo da Umbro também está bem encaixado na camisa, a única coisa que eu removeria é esse circulo em cima do distintivo do clube. A gola é simples e muito bonita o preto valoriza todos os outros pontos pretos que ganham força e contrastam ainda mais com o dourado, a linha dourada é só o estilo final. Vendo essa camisa de 7 anos atrás parece que tudo é muito fácil, não é possível que algumas marcas tenham tanta dificuldade em desenvolver modelos bonitos, apesar de não ser histórico e ter entrado para história é um dos templantes mais bem construídos, consegue passar transformar a camisa em uma obra de arte, e se pensarmos bem é realmente essa a intenção. 

Há 10 Anos Atrás – Abril

Udinese da Itália

A camisa da Udinese foi a escolhida para ilustrar o Há 10 Anos Atrás de Abril. A camisa naquela temporada foi usada como terceiro uniforme e a cor usada é o incomum, para o clube, azul. Na época o clube era patrocinado pela marca dinamarquesa Hummel que tinha bem mais espaço do que nos tempos atuais, o modelo era bem simples como era tradicional na época, os detalhes eram mais focados em golas e apetrechos na parte superior da camisa principalmente nos ombros. No caso dessa camisa nem isso, a gola era bem simples e lembra muito a gola das camisas do começo dos anos 90, com um botão apenas e um colarinho baixo da segunda cor da camisa acompanhado de um detalhe. O tronco da camisa vem com outra característica que aparece no começo dos anos 90, a marca d’água. Como foi muito usado e não podia ser diferente o que aparece na marca é o distintivo do clube, praticamente qualquer símbolo fica muito interessante dessa forma, e não foi diferente com o clube italiano, ficou muito bonito, principalmente porque o distintivo é cheio de elementos e grande deu uma composição muito boa para a camisa, só acho que foram usados muitos, somente o do tronco deslocado era suficiente, uma pequena observação que eu não sei responder e achei curioso, alguns provavelmente vão até achar que prejudica o conjunto, e eu não discordo totalmente dessa opinião. Porque a marca d’água do símbolo que é a que mais aparece está de ponta cabeça? Muito estranho. Mas continuando, na manga é possível ver as famosas “setinhas”, símbolo maior da Hummel, muito mais bonita que as 3 listras da Adidas talvez por ser menos usada ou talvez por simplesmente ser mais bonita mesmo. Deu todo um estilo para a camisa que tem isso praticamente como único detalhe, interessante é o fato de ter sido usado apenas duas setas quando geralmente a Hummel aproveita toda a linha e vai da gola até as mangas usando um número bem maior. De qualquer modo ficou muito bonito, junto com a marca d’água formam um bom conjunto, só faltou um pouco de branco na parte inferior da camisa. Mas a camisa não tem apenas elementos do começo dos anos 90, o patrocínio mais bem desenhado, com curvas saindo um pouco mais da camisa era bem atual na época, entretanto ele era horroroso, conseguiu cobrir e conseqüentemente destruir um dos principais elementos, além disso o amarelo excessivo e o desenho acabam por atrapalhar a camisa, o primeiro se usado moderadamente poderia até se harmonizar com o resto da camisa, já o segundo é mais difícil, teria que diminuir radicalmente seu tamanho, atrapalhando assim o nome da empresa. Uma solução que muito me agrada para esse artifício bizarro seria o simples uso do nome da empresa em azul com uma borda branca, cobriria a marca d’água verdade, mas nesse caso isso já é inevitável. Outra coisa ruim que também foi muito usada no final dos anos 90 é essa união de elementos na parte superior da camisa, patrocínio bem para cima e brasão do clube e símbolo da fornecedora esportiva apertados e muitas vezes deslocados para os lados tirando a tradicional e muito bela simetria entre esses elementos no peito da camisa. Enfim, é uma camisa muito bonita, mas que ficou um pouco atrasada no tempo, e isso fica evidenciado quando comparamos ela com as camisas da época e de mais alguns anos atrás. Talvez esse seja o motivo da Hummel ter perdido espaço no mundo das camisas.

Anúncios